Ato promove abraço coletivo em escola estadual de São Bernardo

yo

A escola estadual Yolanda Noronha do Nascimento, no Jardim Silvina, em São Bernardo, foi “abraçada” por alunos, pais e professores na tarde desta quarta-feira (14/10). Cerca de 300 pessoas se reuniram no entorno da unidade com aproximadamente 50 anos de funcionamento e que corre o risco de ser fechada por conta da chamada reestruturação do ensino proposta pelo governador Geraldo Alckmin.

O ato foi organizado pelos próprios estudantes da escola e pela subsede da Apeoesp (Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado) de São Bernardo, que nesta quinta-feira (15/10) entrará com representação no Ministério Público da cidade contra a medida. Além do fechamento de escola, há o receio de que a mudança possa resultar na superlotação em sala de aula, redução no número de professores e de salas noturnas.

Um professor de educação física que trabalha há dois anos na unidade e preferiu não se identificar por temer represálias lamenta a possibilidade de fechamento da escola. “Essa falsa reestruturação é como a que aconteceu na década de 1990, que culminou na superlotação de salas.”

TRANSTORNOS
A mãe de uma estudante preferiu não se identificar, mas falou sobre os transtornos causados caso tenha de mudar a filha de escola. “Hoje ela leva 10 minutos para vir para a escola. Se mudar, vão ser no mínimo 30 minutos. Hoje ela vai sozinha, mas se mudar não sei como vamos fazer”.

A estudante Thamyres da Silva Visgueira, de 14 anos, integra o grêmio estudantil da Yolanda Noronha do Nascimento e afirmou que irão acontecer outras mobilizações para evitar o fechamento da escola, onde estuda desde os 10 anos de idade. “È importante (a manifestação) para chamar a atenção da comunidade sobre o assunto”.

Deputados estaduais da Região também estiveram no ato desta quarta, como Teonílio Barba (PT), que foi aluno da unidade em 1966. “Essa foi a primeira escola em que estudei e é uma das mais antigas da região. A ideia do governo do Estado é mais uma vez de sucateamento da educação e esse modelo irá criar evasão escolar, principalmente para quem estuda no período noturno.”

A parlamentar Ana do Carmo (PT) garantiu que a mobilização tem acontecido em todo o Estado para evitar que a mudança vire realidade. “O maior problema é que não é uma reestruturação para deixar as escolas abertas, mas para diminuir gastos”, frisou.

MOBILIZAÇÃO
As manifestações contra a proposta de reestruturação do ensino têm acontecido em todo o Estado. A presidente da Apeoesp, Maria Izabel de Azevedo Noronha, a Bebel, participou do ato em São Bernardo e garantiu que as mobilizações vão continuar. “Essa é uma luta que vamos ganhar, porque não é algo isolado dos professores, dos alunos ou dos pais, é algo que atinge toda a sociedade e por isso é preciso juntar todas as forças.”

Estão previstos dois atos estaduais nos próximos dias 20 e 29, na praça da República e na avenida Paulista, respectivamente. A restruturação prevê a divisão das unidades escolares por ciclos (1º ao 5º anos do Ensino Fundamental; 6º ao 9º do Ensino Fundamental e Ensino Médio) e poderá fechar ao menos 17 escolas em todo o ABCD, de acordo com levantamento da Apeoesp.

 

Fonte: http://www.abcdmaior.com.br/materias/politica/ato-promove-abraco-coletivo-em-escola-estadual-de-sao-bernardo

Léo Duarte

Leonardo Duarte: Ex-menino de rua, hoje Fotógrafo, Educador Social e Conselheiro Tutelar.